LOGISTICS

LOGISTICS
Movimento Eficiente !!!

Logisticamente Antenado Headline Animator

quinta-feira, 2 de julho de 2015

��  Conhece todas as possibilidades e tecnologias para logística?

 






 

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Webinar gratuito: Gestão Eficiente de Estoques - Inscreva-se


Caso não esteja visualizando as imagens, acesse aqui


Gestão Eficiente de Estoques
ferramentas, integração de processos e indicadores


  Junte-se a nós nesta palestra online gratuita
Quinta-feira (16/7) às 11h (horário de Brasília)


  Inscreva-se. Vagas limitadas!  


O avanço da globalização e maiores exigências por parte do mercado consumidor está levando as empresas a uma constante busca e manutenção da competitividade. A gestão de estoques se torna ponto essencial neste contexto eliminando excesso de material, de tempo e de pessoas.

A adequada gestão dos processos e ferramentas nos auxilia na gestão mais eficiente dos estoques, mantendo custos baixos e agregando valor aos clientes.

Os indicadores são importantes, pois, através deles conseguimos mensurar se estamos ou não atingindo os patamares almejados, para isso precisamos entendê-los e acompanhá-los.


Palestrante: Viviane Pimenta C. Coelho (Diretora Executiva da Logística Líder Consultoria e Treinamento)

Os participantes do webinar poderão interagir com o palestrante, enviando suas perguntas através do chat.

Webinar: Gestão Eficiente de Estoques
Data: 16 de Julho de 2015
Horário: 11h às 12h (horário de Brasília)
Após registrar-se gratuitamente, você receberá um email de confirmação com o link de acesso a este seminário online.
Requisitos de Sistema
PC - Windows 7, Vista, XP ou 2003 Server
Macintosh - Mac OS X 10.4.11 (Tiger) ou mais recente
Mobile iPhone/iPad/Android

As inscrições são gratuitas!
Reserve já seu espaço neste Webinar gratuito.









segunda-feira, 29 de junho de 2015

FM Logistic recebe a visita de universitários em Canoas

Junho 2015

FM Logistic recebe a visita de universitários em Canoas

 

Alunos da Unisinos (RS) visitam o centro de distribuição da Companhia no Rio Grande do Sul e conferem na prática os desafios reais de uma operação logística

 

A FM Logistic, uma das principais especialistas em Supply Chain do mundo, abre as portas da sua operação para alunos de diversas graduações das principais universidades do País. A Companhia, que irá completar seu segundo ano no Brasil, investe em iniciativas sociais e de compartilhamento de conhecimento. O objetivo das visitas é proporcionar para os alunos a experiência in loco do funcionamento de uma operação logística.

 

O projeto não se resume à operação em Canoas, ele ocorre, também, nas outras unidades da Companhia. "As visitas têm sido um grande sucesso. Recebemos três grupos por mês em média, em horários e dias variados, com turmas de no máximo 30 alunos para que eles consigam ter o acompanhamento adequado durante o período de visitação e aprendizado", diz Silvio José dos Santos, gerente do centro de distribuição da FM Logistic em Canoas.

 

Estudantes cursando graduação superior em áreas correlatas à logística, como Administração, são o principal público dessas ações. No último dia 11, o centro de distribuição em Canoas recebeu alunos da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). A instituição, localizada em São Leopoldo, região vizinha à empresa, trouxe para a companhia os seus alunos de Comércio Exterior, a fim de detalhar na prática os conhecimentos adquiridos na disciplina de Logística. "Acreditamos que essas visitas monitoradas agregam muito valor ao desenvolvimento acadêmico dos estudantes e que essas experiências impactarão positivamente na trajetória profissional futura desses jovens", afirma Dr. Rafael Mozart, professor da Unisinos.

 

As visitas começam com uma apresentação sobre a FM Logistic, na qual os alunos conhecem toda a história da empresa, desde sua fundação, passando pela carteira de clientes e seus principais serviços. São exibidos ainda dois vídeos corporativos, com mais detalhes sobre a empresa e abordando as ações desenvolvidas nos outros países em que opera. Após as explicações institucionais, os visitantes fazem uma visita guiada pela operação, com a supervisão de colaboradores da área comercial e por técnicos de segurança. Nessa fase, podem conhecer de perto as docas e as estruturas de armazenagem. No encerramento da visita, os estudantes podem fazer perguntas e tirar suas dúvidas. Também levam para casa uma edição do jornal interno da companhia.

 

"Os alunos ficam encantados com a dimensão e a complexidade de uma operação real como as que podem acompanhar aqui na FM Logistic. Estamos muito contentes com os resultados até aqui, o que nos motiva ainda mais a seguir com o projeto", ressalta Silvio.

 

Sobre a FM Logistic


A FM Logistic oferece soluções de alto desempenho para logísticas complexas e atende seus clientes com eficiência e excelência. Atuando de forma sustentável e socialmente responsável nos 12 países em que está presente, a FM Logistic é referência internacional na prestação de serviços de armazenagem, co-packing, cadeia de suprimentos e transporte. No Brasil, são 1.315 colaboradores operando nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul com supply chain eficiente e soluções personalizadas para os setores de alimentação, cosméticos, indústria automobilística, higiene pessoal, alta tecnologia e gigantes do varejo. Iniciou suas atividades no País em 2013 e nos últimos meses mobilizou um grupo de colaboradores para auxiliar como voluntários nos trabalhos da APAE de Barueri e criou o projeto Luz na escuridão em parceria com a escola de música da Associação Cultural Promoart. De perfil inovador, a empresa continuará investindo em tecnologia em 2015 com a implantação do processo FMOP (Fast Multi Order Process) e com o ingresso no segmento de transportes, ampliando sua linha de negócios no País. Expertise de décadas a serviço do desenvolvimento do Brasil.

 

 

 Fonte: PLANIN - Communications Department and Press 

Confenar firma parceria com CTZ Telecom


Confenar firma parceria com CTZ Telecom


Associação permitirá a criação da "Rede de Voz Confenar" para oferecer às revendas baixo custo em ligações

 

Engajada em reforçar as ofertas de benefícios para parceiros e revendas associadas, a Confenar (Confederação Nacional das Revendas da Ambev e das Empresas de Logística da Distribuição) anuncia a parceria com a CTZ Telecom, empresa especializada em telecomunicações, que oferece soluções de Telefonia IP e Soluções Corporativas.


Com a nova associação, as revendas Confenar poderão usufruir de um sistema baseado em Telefonia IP, ou seja, comunicação de voz sobre um link de dados. De fácil instalação, o sistema pode ser integrado a um ponto de rede ou a um PABX comum.


"Com novas tecnologias e soluções corporativas, nosso objetivo com esta parceria, é proporcionar redução de custo e maior produtividade no segmento de comunicações proporcionando ligações com tarifa reduzida ou zero a todos os parceiros que se integrarem ao sistema, sejam eles revendedores, distribuidores ou fornecedores. Com a CTZ Telecom, a economia no serviço de ligações pode chegar a 60%, o que reduz os gastos com os serviços de telefonia de nossas associadas", afirma Nino Anele, executivo da área de Negócios e Parcerias da Confenar.


A integração do sistema entre as revendas permitirá que as ligações de CTZphone para CTZphone sejam realizadas a custo zero, independente do tempo de duração da chamada ou do destino da ligação. É possível, ainda, a customização das plataformas, agregando diferenciais como salas de conferência, envio de SMS e mobilidade com utilização de softphones, aparelhos utilizados para conversas via VoIP/telefone e  que possibilitam a migração do ramal da revenda para o smartphone.


"Estamos muito contentes com mais uma parceria de sucesso", diz Nino.


Para mais informações, acesse www.confenar.com.br

 


Números Confenar

A Confenar possui mais de 120 revendas afiliadas e mais de 1.000 empresários ligados à rede. A Confederação gera 23.000 empregos diretos e cerca de 70.000 indiretos, além de prestar atendimento a cerca de 1 milhão de pontos de venda em todo o País.

Juntas, as Revendas filiadas faturam mais de R$ 12,2 bilhões ao ano e possuem uma das maiores frotas de distribuição do Brasil, com 13.430 veículos.

Desses veículos, 8.200 são caminhões, 2.500 caminhões de puxada (transferência de produtos da fábrica para a Revenda), 4.300 caminhões de entrega, 1.400 caminhões terceirizados, 2.000 motos, 2.600 automóveis/utilitários, 2.300 veículos leves e 630 empilhadeiras;

A Confenar investe, anualmente, mais de R$ 15 milhões em autopeças, R$ 4 milhões em uniformes, R$ 30 milhões em seguros, R$ 3 milhões em treinamento, entre outros.As frotas têm consumo anual de R$ 210 milhões em óleo diesel (combustível e lubrificante) e R$ 12 milhões em pneus.

 

 

 

Sobre a Confenar

A Confenar (Confederação Nacional das Revendas Ambev e das Empresas de Logística da Distribuição) representa todas as empresas revendedoras dos produtos Ambev. Criada em janeiro de 2003, é hoje a maior rede de distribuição de bebidas do País. Entre suas iniciativas destacam-se a otimização das atividades do segmento, a garantia da sua representatividade e a geração de negócios que beneficiem os revendedores associados. Juntas, as revendas Confenar são responsáveis por uma das maiores frotas de veículos do País e por uma das mais complexas e eficientes operações de logística de distribuição do mundo.


Fonte:  PLANIN – Assessoria de Imprensa da Confenar


sábado, 20 de junho de 2015

Nota: CRA-RJ promoveu o segundo Encontro de Administradores de Logística


O Conselho Regional de Administração promoveu no dia 10 de junho por meio da Comissão de Logística o II Encontro de Administradores de Logística.  Com o tema "Logística, Infraestrutura, pessoas, processos, tecnologia e tendências" o evento contou com seis palestras que discutiram pontos cruciais dentro da logística.

O superintendente do CRA-RJ, Adm. Leonardo Fuerth, foi o responsável pela abertura falando sobre a importância da discussão para profissionais e estudantes de Administração.

Iniciando a primeira parte do II Elog, o primeiro palestrante do dia foi o superintendente de Logística de Cargas da Secretaria de Transportes do Rio de Janeiro, Eduardo Duprat F. de Melo, que apresentou a palestra "A competitividade da Plataforma Logística do Estado do Rio de Janeiro".

Duprat falou sobre projetos de logística no transporte de exportação do estado, modelagem e fluxos de trânsito em rodovias e mostrou que todo planejamento não depende apenas dos Administradores, mas também, dos usuários da rodovia.

"Esse levantamento é muito importante até para se conversar com as prefeituras, a via é responsabilidade do prefeito e pedimos esse tipo de comprometimento, para liberação da via para o seu real uso", declarou.

O Gerente Regional da Getran Geranciamento de Riscos, Altieli Freire, foi o responsável por ministrar a segunda palestra do dia com tema "Tecnologias de rastreamento e Gerenciamento de riscos como ferramentas na prevenção de perdas no transporte rodoviário de cargas."

Em sua exposição Altieli falou sobre os riscos em transportes de cargas, do crescimento dos roubos de cargas em rodovias pelo Brasil e também das medidas de segurança na área tecnológica, como o uso de GPS, computadores de bordos, controle de rotas e velocidade, travas de segurança, entre outros equipamentos que dificultam o roubo ou perda das cargas.

Na sequência, o Coordenador da Comissão de Logística do CRA-RJ, Helio Meirim, apresentou o tema "Pessoas, Processos e Tecnologia".

Meirim falou da necessidade de mudança no jeito de fazer Logística e destacou a importância do bom relacionamento entre pessoas dentro de uma organização, do trabalho em equipe e da manutenção dos processos dentro da gestão logística.

"Para que você seja bem sucedido na gestão logística além de precisar atrair boas pessoas para trabalhar com você é essencial estar atento a questão dos processos. A logística é a atividade que busca a otimização dos fluxos de matérias, informações e pessoas e por isso os processos dentro dessa atividade são elementares" explicou.

A segunda parte do II ELOG contou com outras três palestras.  A quarta apresentação do dia foi ministrada pela Consultora Empresarial em Desenvolvimento Gerenciar em Recursos Humanos, Rejane Santos com tema "O Perfil do Profissional de Recursos Humanos em atividades Logísticas".

Falando sobre a dessincronizarão entre a velocidade com que as tecnologias avançam e o tempo que o profissional tem para se adaptar as mudanças a palestrante destacou e desenvolveu junto ao público o conceito de algumas competências necessárias para o profissional de RH nas atividades logísticas.

"Inovação, gosto pelo aprendizado, equilíbrio emocional, dominar as relações interpessoais, concorrência, entender a visão global e as tecnologias e acima de tudo ter energia para automotivar. Tentei resumir essas competências que considerei principais para que a gente possa sobreviver com um pouco mais de vitalidade", explicou Rejane.

O especialista em logística, Rafael Tavares, falou sobre "A Logística no e-comerce" apresentando aspectos mercadológicos e os desafios da estruturação operacional na logística do comércio eletrônico, dando dicas aos participantes da palestra.

"Esse mercado eletrônico é altamente dinâmico e tudo muda o tempo todo com uma velocidade incrível. Por isso é importante ter noção dos aspectos mercadológicos e principalmente ter estratégias e planejamentos na gestão operacional de todo o processo logístico" declarou.

Fechando o ciclo de palestras do evento o Adm. Edison Sanromã apresentou a palestra "Logística Reversa: Logística de resíduos na Cidade do Rio de Janeiro, com foco na Logística Reversa da Nova Política Nacional de Resíduos Sólidos", na qual falou sobre medidas de cunho sustentável dentro das ações logísticas de uma entidade.

"Hoje a temos uma exigência legal pela nova lei política de fazer essa logística reversa. Mas a interpretação da lei mostra que não é que a empresa tenha literalmente trazer de volta resíduos, e sim, de alguma forma, fomentar que o resultado de resíduos retorne de alguma forma para a indústria" explicou.

Tanto na parte da manhã, quanto na parte da tarde os palestrantes participaram de uma mesa redonda e esclareceram dúvidas de cerca de 100 profissionais e estudantes, que estiveram presentes ao evento.

Read more at http://www.cra-rj.adm.br/cra-rj-promoveu-o-segundo-encontro-de-administradores-de-logistica/#90IWatMI0yjgTVUZ.99

Fonte: hrmlogistica.wordpress.com

Artigo: Crise impacta transportadoras de cargas


 O setor de transporte de cargas de Minas Gerais está encolhendo diante da retração da economia nacional, especialmente da atividade industrial. Além de conviver com a baixa demanda, as transportadoras não conseguem repassar o aumento dos custos para o preço do frete sob risco de "perder o trabalho", o que já leva algumas empresas a paralisarem as operações. O resultado são demissões, que neste ano já chegam a 20% do que o segmento empregava no mesmo período de 2014."Sem dúvida, quando a economia para, o transporte de cargas também para. Estamos sentindo demais a retração da economia, principalmente da indústria, e isso já vem desde o ano passado", afirmou o presidente da Federação das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetcemg), Vander Francisco Costa.

Segundo ele, o momento não é favorável ao repasse do aumento de custos para o preço do frete. "Reduzir as margens de lucro é uma alternativa sim, mas é preferível ficar parado do que ter prejuízo e algumas empresas já paralisaram as operações. Difícil mensurar, mas já estão ocorrendo demissões e elas chegam a 20% do efetivo do setor", pontuou.

Só para se ter uma ideia, de acordo com a última pesquisa da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), divulgada no fim de fevereiro, o preço do frete no país está pelo menos 14% abaixo do custo mínimo para se fazer o transporte, considerando mão de obra e combustível, especialmente.

A situação também está levando à perda de receita das empresas transportadoras. Conforme o presidente da Fetcemg, o faturamento do setor em Minas Gerais já caiu pelo menos 15% na comparação dos primeiros cinco meses deste ano contra o mesmo intervalo do exercício passado.

Tudo isso levou o setor a não só perder a capacidade de fazer aportes na renovação ou ampliação da frota, como a desinvestir. "Não tem movimento para pagar as compras de caminhões que foram feitas há dois ou três anos e vender esses veículos, o que seria uma opção para honrar os financiamentos, está muito difícil", ressaltou.

Em função disso, Costa revelou que o setor está tentando negociar com o governo federal uma forma de aumentar o prazo de carência dos financiamentos de caminhões feitos no âmbito do Financiamento de Máquinas e Equipamentos (Finame) do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Até agora, nada foi decidido.

"Não tenho dúvidas de que o setor está passando por um desinvestimento para se adequar ao tamanho do mercado. O governo tem que rever esta política de aumento da carga tributária e corte de investimentos. São os investimentos em infraestrutura que vão gerar trabalho, renda e fazer a economia girar", avaliou.

Margem insuficiente – Para o vice-presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga do Estado de Minas Gerais (Setcemg), Paulo Sérgio Ribeiro, a situação crítica que o setor enfrenta se deve basicamente à queda generalizada da demanda e a incapacidade de praticar preços que permitam às empresas ter uma margem suficiente para operar sem prejuízo.

"O setor precisa repassar os custos e não está conseguindo. Ao mesmo tempo que estamos vivendo com preços (de frete) irreais, a pressão sobre os custos aumenta. As demissões já estão acontecendo e vão se agravar. As empresas estão diminuindo de tamanho e algumas estão sem condições de operar", advertiu.

Para Ribeiro, que também é proprietário da Tora Logística Armazéns e Terminais Multimodais, sediada em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), o setor está à mercê da economia. "Por parte dos governos, não vejo medidas que possam ajudar o setor", frisou.

Fonte: http://www.portalntc.org.br/rodoviario/crise-impacta-transportadoras-de-cargas/55795



"O BRASIL PRECISA DE ABRALOG"




sexta-feira, 29 de maio de 2015

Notícia |Pauta Setor Automotivo


Logo_wg.png

Fórum da WorkGroup debate a Padronização de Aplicações de Peças

ANRAP, ANDAP e TecDoc apoiaram o evento. Juntos com a WorkGroup, compartilharam opiniões sobre o tema, destacando que a padronização de aplicações de peças pode aumentar a competividade de oficinas e centros de reparação, bem como levar real valor a toda a cadeia automotiva.

A WorkGroup (WG), especializada no desenvolvimento e manutenção de sistemas para o setor automotivo, promoveu o debate "Padronizar para Ganhar", no Holiday Inn em São Paulo (10/04). O encontro reuniu profissionais, fabricantes e distribuidores do setor. Dirigentes da ANRAP, ANDAP e TecDoc compareceram para apoiar o evento e compartilhar sua visão sobre tema.  Na ocasião, a WG celebrou 20 anos de dedicação e total envolvimento com o mercado automotivo.

Para Marco Antonio Del Corso, diretor geral da WorkGroup, os problemas de comunicação entre os elos da cadeia de aftermarket tem gerado grandes perdas para todas as empresas, desde oficinas mecânicas até as fábricas. "Após análise do banco de dados do QueridoCarro.com da WG (com mais de 17 milhões de Ordens de Serviço e pedidos de balcão, e 59 milhões de itens cadastrados), concluímos que a padronização de aplicações de peças pode ser a saída para a recuperação das perdas do setor, estimadas em quase R$ 3 bilhões em 2014 por trocas e devoluções. Iniciamos um debate, cuja a discussão certamente irá se estender ao longo do ano", destacou.  

Segundo o executivo, os maiores impactantes desse cenário são os custos com entregas, estornos de recebimentos e burocracia fiscal, além de remanejamentos de estoques. "Os reparadores, oficinas mecânicas e centros automotivos são os principais responsáveis por movimentar as operações do aftermarket. É essencial que tenham um canal confiável para que possam falar com as fábricas e distribuidores. Neste sentido, precisam de todo o apoio para a compra rápida e correta das peças requeridas em suas Ordens de Serviço, com conveniência e praticidade. É preciso padronizar para levar real valor à cadeia automotiva", concluiu.

"A padronização aumenta a eficiência de toda a cadeia automotiva, da fábrica até a oficina, todos serão beneficiados se as informações técnicas estiverem corretas, disponíveis, com fácil acesso, no momento em que forem necessárias. Temos que ouvir a opinião dos fabricantes e do próprio varejo sobre esta proposta", comentou Ana Paula Cassorla (vice-presidente da ANDAP e diretora da Pacaembu Autopeças). "Hoje, muitos ainda utilizam o Google para fazer buscas. É necessário integrar toda esta inteligência em um sistema único. Manter o mecânico informado, preparado, apto a fazer a manutenção é um grande e necessário desafio, na busca em mantermos o Mercado Independente de Reposição forte e preparado para concorrer com as concessionárias. Parabenizo a WorkGroup pelo pioneirismo ao lançar o Guia de Peças", disse.

"Com base na experiência de estar à frente e ser membro de uma associação, a ANRAP, que também tem o objetivo de disseminar o conceito do produto remanufaturado, sem dúvida, é importante dar continuidade ao tema, seja via novos debates, redes sociais ou outros meios. Antes, cada fabricante fazia seu catálogo em papel, em formatos diferentes. Hoje, as fábricas de autopeças reconhecem a necessidade de criar uma base de dados online e organizá-la de forma padronizada. Esta padronização pode reforçar o conceito de produtos e serviços mais seguros ao mercado", ressaltou Jefferson Germano (presidente da ANRAP e gerente de aftermarket da Knorr-Bremse para o Brasil e América Latina).

É fundamental que o mercado tenha acesso a um programa com todas as peças catalogadas de uma forma padrão. Hoje, vemos muitas iniciativas isoladas, com informações sem qualquer integração", disse Heloisa Monzani (Regional Sales Director Brazil da TecDoc). A executiva lembrou que a dimensão do território brasileiro é grande e, por isso, os obstáculos são diários. "O cenário atual do Brasil é semelhante ao da Europa há vinte anos atrás. Não foi fácil atuar lá e sabemos que também não será fácil superar os desafios da indústria brasileira, entretanto temos a experiência e o padrão global que é referência, o que facilitará esta empreitada," finalizou.

A WorkGroup apoia a padronização e, nesse sentido, lançou o GuiadePecas.com. Um banco de dados setorial, gratuito para consultas e organizado de acordo com as características do mercado brasileiro de reposição, que ajuda oficinas e reparadores a encontrar peças em todo o País. O guia pode ajudar a minimizar, hoje, o alto índice de devoluções ou perdas de vendas do setor. Os interessados em contribuir com a discussão sobre a padronização de aplicações de peças, podem registrar suas opiniões no debate online. Basta clicar em http://goo.gl/BwdaGk.

Sobre a WorkGroup (WG)
A WorkGroup (WG) é uma empresa especializada no desenvolvimento e manutenção de sistemas, com foco 100% no setor automotivo. Suas soluções são projetadas com o objetivo de facilitar trabalhos diários de seus usuários e aumentar a lucratividade nos negócios dos clientes. Alguns sistemas desenvolvidos pela WG para essa indústria são o WorkMotor.com, QueridoCarro.com e GuiadePecas.com. Há vinte anos nesse mercado, a WorkGroup também acumula experiência no desenvolvimento de sistemas personalizados e projetos específicos para diversos outros segmentos. A empresa possui sede em Campinas (SP), revendas e suporte técnico em todo o País. Para mais informações, por favor, contate:

Cláudia Lima
Oxy News
Assessoria de Comunicação
(19) 9 9779-0040
claudia.lima@oxy.com.br

Foto: (da direita para a esquerda): Marco Antonio Del Corso (WorkGroup), Jefferson Germano (ANRAP), Ana Paula Cassorla (ANDAP) e Heloisa Monzani (TecDoc).




segunda-feira, 11 de maio de 2015

PMI-CE - Encontro de Lideranças 2015

ARTIGO: Tecnologia e logística são aliadas na geração de resultados


Tecnologia e logística são aliadas na geração de resultados

 

* Por Michèle Cohonner

 

Como pesquisadora da área logística, e, também, como observadora desse cenário, tenho percebido com grande alegria a evolução do uso da tecnologia e o aprimoramento das soluções já disponíveis no mercado para gestão logística. O uso assertivo dessas soluções torna uma empresa mais estratégica e competitiva, gerando mais lucros e aumentando a produtividade.

 Com a globalização, e com a alta velocidade dos fluxos de informação, a centralização de dados e também o investimento em máquinas e programas que acelerem o nível de entrega aos clientes, auxiliam, e muito, uma empresa a superar os desafios diários do mercado logístico. Além disso, agrega novidade para os clientes, que procuram sempre um serviço inovador e ágil.

Como exemplo, acho importante destacar um case tecnológico que incorporou muito mais qualidade de entrega aqui na FM Logistic. A fim de utilizar melhor o tempo dos profissionais que preparam os pedidos, especialmente os pequenos e de menor volume, desenvolvemos, junto ao nosso parceiro BALEA, o FMOP. Essa solução é composta por uma arca grande, acoplada em um carrinho, em que os produtos serão armazenados. Uma tela luminosa, que também é encaixada na plataforma do carrinho, indica ao operador qual é a quantidade de pacotes que devem ser colocados em seu interior, iluminando o local exato em que devem permanecer. Por ser flexível, simples e adaptável a qualquer carrinho, conseguimos pulverizar o FMOP rapidamente em nosso Centro de Distribuição, trazendo benefícios imediatos, suprindo as operações de identificação e validação dos produtos e facilitando a preparação do pedido. Como resultado, uma diminuição expressiva dos erros e uma preparação dos pedidos muito mais ágil e eficaz. 

O exemplo do FMOP tem caráter mais operacional, mas a tecnologia pode ser agregada a um ambiente logístico em soluções muito mais simples do que a oferecida por ele, como um controle eficiente via código de barras, um localizador de pedidos e produtos digital e, também, um programa eletrônico que agrega as informações de todos os setores da empresa numa única plataforma.

Com isso, percebemos que a tecnologia favorece em escala crescente as operações logísticas, auxiliando o serviço a permanecer competitivo. Dessa forma, vejo como essencial aos profissionais e às empresas estarem sempre atentos às oportunidades e possibilidades que podem agregar valor ao nosso negócio e ainda acelerar nosso tempo de entrega. A inserção desses processos tecnológicos torna a gestão das organizações mais eficiente e contribui diretamente na perpetuação dos negócios das empresas que necessitam, para manterem-se competitivas, de  inovação, criatividade e investimento. 

 

*Michèle Cohonner é presidente da FM Logistic no Brasil.

 

 

PLANIN – A agência que inova sua maneira de comunicar

www.planin.com